Somente funcionário público pode ser sujeito ativo do crime de peculato. C/E? (DP59) – Djus – Prof. Douglas Silva

O SUJEITO ATIVO DO CRIME DE PECULATO

QUESTÕES COMENTADAS

Djus - Prof. Douglas Silva

COMENTÁRIO

 

Peculato: de acordo com o caput do art. 312, do CP, consiste na apropriação, por funcionário público, de dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel, público ou particular, de que tem a posse em razão do cargo, ou desviá-lo, em proveito próprio ou alheio.    

“Art. 312 – Apropriar-se o funcionário público de dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel, público ou particular, de que tem a posse em razão do cargo, ou desviá-lo, em proveito próprio ou alheio:
Pena – reclusão, de dois a doze anos, e multa.”

 

ESPÉCIES:

 

Além das duas espécies de peculato presentes no caput do art. 312 (peculato-apropriação e peculato-desvio), existem outras quatro espécies, vejamos:

 

Peculato-furto: está presente no art. 312, § 1º, do CP. Configura-se quando o funcionário público, embora não tenha a posse do dinheiro, valor ou bem, o subtrai, ou concorre para que seja subtraído, em proveito próprio ou alheio, valendo-se da facilidade que lhe proporciona a qualidade de funcionário.

 

Peculato-culposo: está presente no art. 312, § 2º, do CP. Configura-se quando o funcionário público concorre culposamente para o crime de outrem.

Peculato mediante erro de outrem (peculato-estelionato): presente no art. 313, do CP, consiste quando o funcionário público se apropria de dinheiro ou qualquer utilidade que, no exercício do cargo, recebeu por erro de outrem.

 

 

Peculato-eletrônico: arts. 313-A e 313-B (inserção de dados falsos em sistema de informações e modificação ou alteração não autorizada de sistema de informações, respectivamente).

 

SUJEITO ATIVO E PASSIVO

SUJEITO ATIVO E PASSIVO:

 

Sujeito ativo: peculato é crime próprio, ou seja, só pode ser cometido por funcionário público.

“Art. 327 – Considera-se funcionário público, para os efeitos penais, quem, embora transitoriamente ou sem remuneração, exerce cargo, emprego ou função pública.

§ 1º – Equipara-se a funcionário público quem exerce cargo, emprego ou função em entidade paraestatal, e quem trabalha para empresa prestadora de serviço contratada ou conveniada para a execução de atividade típica da Administração Pública.”

 

Porém, por força do art. 30, do CP, o particular que sabe da qualidade funcional do agente e que concorre para o crime também responderá por peculato, pois a circunstância (ser funcionário público) é elementar desse delito.

 

“Art. 30 – Não se comunicam as circunstâncias e as condições de caráter pessoal, salvo quando elementares do crime.”

 

Sujeito passivo: o Estado. O particular também pode ser vítima secundária do crime se o bem apropriado for de sua propriedade.

 

OBSERVAÇÃO:

Se o particular desconhece a qualidade funcional do agente, não responderá por peculato e sim por apropriação indébita ou furto, conforme o caso, a depender da espécie de peculato que o coautor (funcionário público) cometer.

 
VOLTANDO À QUESTÃO

Somente funcionário público pode ser sujeito ativo do crime de peculato. C/E?”.

A assertiva está INCORRETA, pois, o particular poderá ser sujeito ativo do crime de peculato, se agindo em concurso de pessoas, ficar comprovado que sabia da qualidade funcional do agente. Entretanto, se o particular desconhece a qualidade funcional do agente, não responderá por peculato e sim por apropriação indébita ou furto, conforme o caso, a depender da espécie de peculato que o coautor (funcionário público) cometer.      

 

GABARITO: ERRADO.

COMO FOI COBRADO EM PROVA?

Peculato é um dos crimes contra a Administração Pública que mais costuma cair em provas de concursos públicos. Já foi cobrada de forma semelhante, por exemplo, pela banca VUNESP, na prova de Defensor Público da DPE-MS, sendo considerada CORRETA a seguinte alternativa: “Mesmo aquele que não é funcionário público poderá responder por crime de peculato“.

 

 

Bons estudos.

 
Prof. Douglas Silva
CLIQUE para saber mais.

DOUGLAS JOSÉ DA SILVA

– Professor e Juiz de Direito do TJPE

– Ex-Juiz de Direito do TJCE

– Ex-Oficial de Justiça Federal

– Ex-Delegado de Polícia

– Ex-Servidor do Banco Central-BACEN

– Ex-Sargento do CBMPE

– Ex-Soldado do CBMPE

COMO PASSAR EM CONCURSO PÚBLICO?

Deixe uma pergunta que responderei em breve